domingo, 15 de março de 2009

O que é benchmarking?


Os Japoneses têm uma palavra chamada "dantotsu" que significa lutar para tornar-se o "melhor do melhor", com base num processo de alto aprimoramento que consiste em procurar, encontrar e superar os pontos fortes dos concorrentes.

Esse conceito enraizou-se numa nova abordagem de planejamento estratégico. Durante a última década, ele tem produzido resultados impressionantes em companhias como a Xerox, a Ford e a IBM e é conhecido como Benchmarking.

Benchmarking é um processo contínuo de comparação dos produtos, serviços e práticas empresarias entre os mais fortes concorrentes ou empresas reconhecidas como líderes. É um processo de pesquisa que permite realizar comparações de processos e práticas "companhia-a-companhia" para identificar o melhor do melhor e alcançar um nível de superioridade ou vantagem competitiva.

Benchmarking é...
Benchmarking não é...

um processo contínuo
um evento isolado

uma investigação que fornece informações valiosas
uma investigação que fornece respostas simples e "receitas"

um processo de aprendizado com outros
cópia, imitação

um trabalho intensivo, consumidor de tempo, que requer disciplina
rápido e fácil

uma ferramenta viável a qualquer organização e aplicável a qualquer processo
mais um modismo da administração

Benchmarking surgiu como uma necessidade de informações e desejo de aprender depressa, como corrigir um problema empresarial.

A competitividade mundial aumentou, acentuadamente nas últimas décadas, obrigando as empresas à um contínuo aprimoramento de seus processos, produtos e serviços, visando oferecer alta qualidade com baixo custo e assumir uma posição de liderança no mercado onde atua. Na maioria das vezes o aprimoramento exigido, sobretudo pelos clientes dos processos, produtos e serviços, ultrapassa a capacidade das pessoas envolvidas, por estarem elas presas aos seus próprios paradigmas.

Na aplicação do Benchmarking, como todo o processo, é preciso respeitar e seguir algumas regras e procedimentos para que os objetivos sejam alcançados e exista uma constante melhoria do mesmo. Neste processo existe um controle constante desde sua implantação (plano do processo) até a sua implementação (ação do processo).

A empresa interessada em implantar benchmarking deve analisar os seguintes fatores: ramo, objetivo, amplitude, diferenças organizacionais e custos, antes da definição ou aplicação do melhor método, pois cada empresa individualmente tem as suas necessidades que devem ser avaliadas antecipadamente à aplicação do processo.

Outra vantagem do benchmarking é a mudança da maneira de uma organização pensar sobre a necessidade para melhoria. Benchmarking fornece um senso de urgência para melhoria, indicando níveis de desempenho atingidos previamente num processo de parceiro do estudo. Um senso de competitividade surge à medida que, uma equipe, reconhece oportunidades de melhorias além de suas observações diretas, e os membros da equipe tornam-se motivados a se empenhar por excelência, inovação e aplicação de pensamento inovador a fim de conseguir sua própria melhoria de processo.

É necessário que as organizações que buscam o benchmarking como uma ferramenta de melhoria, assumam uma postura de "organização que deseja aprender com os outros" para que possa justificar o esforço investido no processo, pois essa busca das melhores práticas é um trabalho intensivo, consumidor de tempo e que requer disciplina. Portanto, benchmarking é uma escola onde se aprende à aprender.

Saber fazer e adaptar benchmarking no processo da organização pode nos permitir vislumbrar oportunidades e também ameaças competitivas, constituindo um atalho seguro para a excelência, com a utilização de todo um trabalho intelectual acumulado por outras organizações evitando os erros é armadilhas do caminho.

Mais do que uma palavra mágica, o benchmarking é um conceito que está alterando consideravelmente o enfoque da administração, onde o mesmo é composto de atributos que determinarão o sucesso ou ainda a sobrevivência das empresas.

A área de Recursos Humanos pode aplicar o benchmarking para obter respostas a questões como:

Como "aprender" a realizar mudanças de sucesso nos seus próprios processos de trabalho. O que priorizar?

Como realizar projetos considerados bem sucedidos ou exemplares, conhecidos em inglês como "best practices".

Que desafios o time gerencial enfrentará para implantar as mudanças necessárias?

Que ferramentas tecnológicas e gerenciais os nossos concorrentes já implantaram com sucesso?
Que aspectos priorizaram?

Que resultados os líderes do seu setor estão obtendo em relação aos investimentos em modernização?

A adoção de uma metodologia estruturada de benchmarking pode ser extremamente útil na facilitação deste processo de troca e interação, possibilitando a mensuração, análise e comparação das práticas adotadas pelas diferentes Recursos Humanos das organizações.

Os profissionais de Recursos Humanos ao empregar o benchmarking como uma ferramenta de desenvolvimento da Gestão de RH, adquirem conhecimentos importantes para aperfeiçoar seus processos de trabalho, sem ter que "reinventar a roda".
.
.
.
Washington Sorio tem sólida vivência na área de recursos humanos com visão sistêmica de negócios de diferentes segmentos e complexidade, concentrando suas atividades no desenvolvimento de estratégias de RH que possam dar suporte aos objetivos organizacionais em aspectos locais e globais, considerando todos os subsistemas de RH.Possui forte atuação em Desenvolvimento Organizacional, participando de projetos ligados a gestão estratégica, implantação de governança corporativa, processos de transformação (start up, aquisição, reestruturação e profissionalização de empresas), definição de Missão, Visão e Valores, programas de carreira, gestão do clima organizacional e consolidação da cultura para geração de valor e resultados.Tem capacidade de liderar e desenvolver pessoas de diversos níveis sócio-culturais, com destaque para formar times de alta performance. Vasta experiência em negociações sindicais e profundo conhecimento da legislação trabalhista.Por sua consistente experiência profissional recebeu em 2005 o mais importante prêmio de gestão de pessoas do Rio de Janeiro, o Prêmio “Luiz Carlos Campos”, como o “MELHOR PROFISSIONAL DO ANO”, concedido pela Associação Brasileira de Recursos Humanos - ABRH-RJ.Em 2008 recebeu o certificado de premiação a um dos mais importantes prêmios de gestão de pessoas da América Latina, o Prêmio Ser Humano “Oswaldo Checchia”, promovido pela Associação Brasileira de Recursos Humanos – ABRH-Nacional, sendo um dos 12 case vencedores.É graduado em Administração de Empresas, tem MBA em Gestão de RH e diversos cursos de especialização, tanto no Brasil como no Exterior.
.
Seu site pessoal é www.washingtonsorio.com.br
.

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO